Revolução Liberal de 1842 – Rememorando 171 anos da História

Por Carlos Dias Barbosa

Com a presença anunciada do senhor Prefeito Carlos Calixto e da Vice Prefeita Roseli Pimentel, do Comandante da 4ª Região Militar, General de Divisão, Vicente Gonçalves de Magalhães; do Secretário Municipal de Cultura, João Flôres Alkmim, e de outros secretários municipais, o Museu Histórico Aurélio Dolabela e Casa de Cultura da Cidade de Santa Luzia, foi cenário mais uma vez da comemoração do fim da Revolução Liberal.

Destacamos a presença da Câmara Municipal através do presidente Vereador Pedro de Teco, e de vereadores e vereadoras, não todos.
O presidente da 100ª Subseção da OAB/MG, Francisco Massara Gabrich, que sempre comparece para fortalecer a história do presente, teve a oportunidade de rever muitos amigos e autoridades, recebendo os mais calorosos cumprimentos, que registramos.
Além dos secretários e convidados, muitos profissionais da administração municipal, maioria da área de Educação, compareceram para o evento, que teve abertura às 8h, com café servido na Praça Juli, que existe anexa à Casa de Cultura.
Momento Cívico: “Caldeira Brant”
É quase tradição no município de Santa Luzia o pronunciamento do historiador e juiz Marcos Henrique Caldeira Brant, que enalteceu Caxias, “Pacificador”, e Teófilo Otoni, o “Capitão de Casaca Branca” e ícone da política mineira, explicou que o edifício foi um centro de operações do Exército Nacional.
O Comandante da 4ª Região Militar, O prefeito Carlos Calixto, Eugênio Ferraz, diretor da Imprensa Oficial, e o presidente da subseção local da OAB/MG, Francisco Massara Gabrich, receberam placas meritórias entregues pelo juiz Marcos Henrique, e em seguida foi feito o descerramento de novo quadro pintado por Célio Nunes, de retrato de personagem da Revolução.
Calixto não deixou de relatar o privilégio de se ouvir o juiz, “que pela emoção dá-nos a impressão de se estar assistindo a cena relatada” e se comprometeu se colocar à frente com criação de Centro de Memória Luziense. Ferraz trouxe cópia do jornal Minas Gerais, que comemorou o centenário da Revolução, que entregou ao Prefeito. Francisco Massara Gabrich agradeceu ao Juiz Marcos Henrique, porque conforme considera, “tem feito muito mais pela história de Santa Luzia que os filhos desta terra”.
Momento Militar “Recanto dos Bravos” 
A solenidade realizada no local conhecido por “Muro de Pedras”, neste ano foi realizada com a presença apenas de alunos da Escola Municipal “Etelvino de Souza Lima”, a escola mais próxima do monumento, por ser dia letivo. Depois de hasteamento da Bandeira os presentes tiveram a oportunidade de ouvir o histórico desta comemoração através do orador Eugênio Ferraz. Foi feita a entrega da condecoração “Láurea Cruz de Combate”, neste ano agraciando à jornalista Anna Marina Vianna Siqueira, à advogada Célia Pimenta Barroso Pitchon, e o médico e filantropo Edmundo Caldeira Brant, pai do juiz Marcos Henrique.
O Prefeito Carlos Calixto discursou e afirmou que não faltará esforço, vontade de acertar, lutando para a evolução cultural, inclusive com inclusão de História do Município entre as disciplinas do ensino fundamental, ocasião em salientou a presença da historiadora Maria Juscelina de Faria, que escreveu sobre o Mosteiro de Nossa Senhora da Conceição de Macaúbas (sítio histórico às margens da rodovia MG-020, no sentido Jaboticatubas)

Share

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.